21
Jan 12

Profª. Nancy Alessio Magalhães

Face às incertezas e fragmentação da experiência nas sociedades de hoje, no limiar do século XXI, a memória torna-se cada vez mais necessária para que não percamos nossas referências como seres humanos. O ato de imortalizar ações, feitos e palavras, assim, não pode ser encarado como em vão, para que se garanta um espaço, ainda que perecível, a lições e ensinamentos que outras gerações poderão re-colher e re-construir. O que se silencia, o que se relega ao esquecimento, o que se relega ao esquecimento, o que se escolhe para guardar ou registrar, como, com quem e para quem se produzem e se preservam as diferentes memórias é um processo que passa por relações de poder.

Deste modo, não cabe substituir uma versão da história por outra, muito menos valorizar e/ou buscar a que seria, pretensamente, a mais verdadeira. O que se trata é de democratizar um pouco mais a discussão, é de evocar infinitamente outras vozes. São essas questões e princípios metodológicos que alimentam nossas ações.

 

Assim, organizamos, neste Caderno do CEAM, seis artigos e uma entrevista editada a partir de transcrição de fitas cassete, referentes à produção mais recente dos pesquisadores e granduandos-bolsistas, que exemplificam o tratamento multidisciplinar das diferentes atividades de pesquisa, ensino e extensão em desenvolvimento. O primeiro deles, Vozes vivas ou congeladas? Tramas de lutas na história oral, resulta de pesquisa com apoio do PIBIC-CNPq e recentemente foi apresentado na VII Jornadas "Historia y Fuentes Orales - Memoria e Identidades", promovido pela Universidade Complutense de Madrid, em Ávila, na Espanha. O segundo, Da gravação à gravação: a entrevista na produção de documentários historiográficos, apresentado no XX Simpósio Nacional da ANPUH, é desdobramento do projeto de pesquisa e extensão "Abrigos da memória em Brasília-DF", desenvolvido, a partir de 1995, no Paranoá-DF. O terceiro, Os grupos populares na filmografia de Brasília, integra tese de Doutorado em História Social de um pesquisador do NECOIM, a ser defendida na Universidade de São Paulo, no próximo ano e também foi apresentado no XX Simpósio Nacional da ANPUH. O quarto, Imagens e pesquisa: diálogo entre ciência e arte, foi produzido por uma aluna, bolsista do NECOIM, na disciplina de graduação "Imagem e Pesquisa Histórica: oficina vídeo e história", oferecida pelo Núcleo, em módulo livre. O quinto, História de vida e imagens: um estudo sobre a identidade feminina e o envelhecimento em alfabetizandos adultos, tem por objetivo apresentar questões que afloram em pesquisa que norteia trabalho de Mestrado em realização no Instituto de Psicologia, na Universidade de Brasília.

Já o artigo, A experiência de descobrir a memória, levanta alguns questionamentos relativos às experiênciass na oficina/curso de extensão "Falas, imagens e lugares da memória no Distrito Federal". Por fim, através da entrevista do Sr. Hermes de Paiva, também resultante do projeto de pesquisa e extensão "Abrigos da memória em Brasília-DF", no Paranoá, busca-se mostrar uma outra interpretação entre as que vêm sendo geradas durante os diferentes estudos e pesquisas em desenvolvimento no NECOIM/CEAM/UnB.